Universidade Católica de Pelotas Blog da UCPel
Webmail
Aducpel
Agenda de Eventos
Ass. Judiciária
Ass. Médica Ambulatorial
Avaliação Institucional
Balanço Social
Biblioteca
Calendários Acadêmicos
Capelania
CAPS - Centro de Apoio Psicossocial
Chegue Mais Perto
CIPA
Clínica de Fisioterapia
Clínica Psicológica
Comitê de Ética
Conheça Pelotas
Documentos PRAC
Doutorado
Editais e Publicações Oficiais
EDR - Escritório de Desenvolvimento Regional
Especialização
Estrutura
Extravestibular
Formas de Ingresso
Graduação
Histórico da UCPel
Hospital Universitário
Incubadora de empresas – CIEMSUL
Instituição Comunitária
Intranet
Itepa
Laboratório de Análises Clínicas
Links de Interesse
Mantenedora
Marca UCPEL
MBA e Especialização
Mestrado
Missão e Visão
Moodle
NAE - Núcleo de Apoio ao Estudante
Notícias
Perguntas Frequentes
Plataformas Lattes
Política de Ensino
Politicas de Extensão
Política de Pesquisa
Proficiência em Língua Estrangeira
Projetos de Extensão
ProUni
Rádio Universidade
Seleção Docente
SINAES
Sinpro
Telefones
Trabalhe na UCPel
UCPEL Virtual
Unidades Básicas de Saúde
Vestibular
Vídeos
Webmail
Administração
Arquitetura e Urbanismo
Atlas de Histologia Médica
Atlas de Histologia Médica II
Cartão Sou UCPel
Centro de Incubação de Empresas da Região Sul (Ciemsul)
Certificados
Ciências Contábeis
CPA - Comissão Própria de Avaliação
Design de Moda
Direito
Enfermagem
Engenharia Civil
Engenharia de Computação
Engenharia Elétrica
Farmácia
Filosofia
Fisioterapia
Gestão Comercial
Gestão de Recursos Humanos
Gestão Financeira
Grupo Interdisciplinar de Trabalho e Estudos Criminais-Penitenciários (Gitep)
Hospital Universitário São Francisco de Paula (HUSFP)
Jornalismo
Jovem Aprendiz
Laboratório de Engenharia Civil
Laboratório de Química Ambiental
Laboratórios de Informática - Centro Politécnico
Letras
Mestrado e Doutorado em Letras
Mestrado e Doutorado em Política Social
Mestrado e Doutorado em Saúde e Comportamento
Mestrado em Engenharia Eletrônica e Computação
Mestrado Profissional em Saúde da Mulher, Criança e Adolescente
Memória Fotográfica
Núcleo de Apoio ao Estudante (NAE)
Pacto Universitário de Direitos Humanos
Pedagogia
Portal do Egresso - Sempre UCPel
Programa de Residência Médica
Psicologia
Publicidade e Propaganda
Rádio Universidade (RU)
Revistas da UCPel
Salão Universitário
Serviço Social
UCPel Mais Saudável
Vestibular

Sapu

Moodle - Segurança Pública
Moodle - Demais cursos
 
 
 
 
 
Cursos

NEWSLETTER

home / notícias / Ruptura social causada pelo uso da tecnologia é abordada no evento Cenários, Tendências e Desafios
NOTICIAS

Ruptura social causada pelo uso da tecnologia é abordada no evento Cenários, Tendências e Desafios

10.10.2017 | EDR

A terceira edição do evento Cenários, Tendências e Desafios da Universidade Católica de Pelotas (UCPel) apresentou um apanhado geral das novas tendências para 2018. A diretora do Instituto Pesquisas de Opinião (IPO), Elis Radmann, abordou algumas das principais mudanças responsáveis por impactar diretamente mercados e negócios.

Uma nova ruptura, causada pelo uso do smartfone - responsável por inúmeras benfeitorias, a ponto de se tornar uma extensão do braço humano -, também vem tornando as pessoas mais individualistas, afirmou a socióloga. “O uso da tecnologia vem alterando o comportamento das famílias, do mundo do trabalho e de todas as relações sociais estabelecidas”, pontuou.    
 
De acordo com a coordenadora do IPO, o smartfone tem influência no cidadão, no consumidor e no eleitor, porque oferece conhecimento. Inovações como o aplicativo Uber, Netflix e Airbnb, por exemplo, estão obrigando o estado a se reorganizar. Elis citou a chegada ao Brasil do novo robô da IBM, que passará a disputar o mercado de trabalho com profissionais. “Esse robô, altamente tecnológico, entra no Brasil e deverá afetar categorias como a dos bancários. Um único robô vai substituir 33 trabalhadores e realizar 55 mil operações, incluindo as gerenciais. E chega também para atuar nas áreas médicas e jurídicas”, informa.  
 
A aposta da socióloga é que esse cenário deverá alterar o mundo do trabalho de forma devastadora nos próximo três anos. “Essa mudança será tanto para o bem quanto para o mal. Vamos ter grandes avanços tecnológicos, resultabilidade, mas também teremos um grande contingente de trabalhadores fora do mercado de trabalho”, afirmou. 
 
Outro ponto destacado por Elis é que o smartfone desconecta as pessoas umas das outras. “Todos os estudos que estamos fazendo demonstram uma doença social grave, porque ela transforma as pessoas em indivíduos conectados com o seu celular”, afirmou. A distração digital também foi mencionada. Estudos demonstram que as pessoas não conseguem ficar 60 segundos sem olhar o celular, o que acarreta na dificuldade da retenção da informação.
 
O empoderamento, devido ao acesso a informação, deu ao consumidor a liberdade para demonstrar amor ou criticar tudo de forma intensa. “Mas isso não significa o aumento de consciência, de entendimento. É apenas criticidade” disse. Esse fenômeno se dá, conforme explicou a palestrante, devido a individualização, que torna o mundo mais banalizado e instantâneo.    

Cenário no Rio Grande do Sul    
 
Elis comentou que um estudo feito recentemente pelo IPO demonstrou que 65% dos gaúchos enfrentam o endividamento maior que a capacidade de quitação das dívidas. Apesar da queda nos indicadores gerais, a pesquisa demonstra a reorganização por parte da sociedade, especialmente devido ao crescimento do trabalho informal para aumentar a renda familiar. 
 
97% dos gaúchos demonstram desconfiança das instituições. “Apenas um quatro confia no Governo do Estado, menos de 20% confiam na Justiça e menos de 10% confiam no Poder Legislativo. As pessoas dizem nas entrevistas que o desenvolvimento do estado ocorre pela força do empresariado”, informou. 
 
O Rio Grande do Sul enfrenta ainda uma crise de insegurança. “Há 10 anos o índice de insegurança era cerca de 10%. Hoje no RS o indicador de insegurança é 70%. O sintoma dessa doença é o medo”, disse.
 
Outro estudo feito pelo IPO aponta a preferência de 80% dos gaúchos pela democracia. 90% desejam alteração na forma de governar e também querem resultados. Saúde e segurança são as áreas mais problemáticas a serem enfrentadas pelo próximo governante em 2018.  

Redação: Rita Wicth – MTB 14101

VER TODAS AS NOTÍCIAS